Era uma vez um cuco que não gostava de couves

Era uma vez um cuco que não gostava de couves

Mandou-se chamar o pau para vir bater no cuco

Mandou-se chamar o pau para vir bater no cuco

O pau não quis bater no cuco

O cuco não quis comer as couves

Ele ia sempre a dizer: couves não hei-de comer

Ele ia sempre a dizer: couves não hei-de comer

Mandou-se chamar o fogo para vir queimar o pau

Mandou-se chamar o fogo para vir queimar o pau

O fogo não quis queimar o pau

O pau não quis bater no cuco

O cuco não quis comer as couves

Ele ia sempre a dizer: couves não hei-de comer

Ele ia sempre a dizer: couves não hei-de comer

Mandou-se chamar a água para vir apagar o fogo

Mandou-se chamar a água para vir apagar o fogo

A água não quis apagar o fogo

O fogo não quis queimar o pau

O pau não quis bater no cuco

O cuco não quis comer as couves

Ele ia sempre a dizer: couves não hei-de comer

Ele ia sempre a dizer: couves não hei-de comer

Mandou-se chamar o boi para vir beber a água

Mandou-se chamar o boi para vir beber a água

O boi não quis beber a água

A água não quis apagar o fogo

O fogo não quis queimar o pau

O pau não quis bater no cuco

O cuco não quis comer as couves

Ele ia sempre a dizer: couves não hei-de comer

Ele ia sempre a dizer: couves não hei-de comer

Mandou-se chamar o homem para vir bater no boi

Mandou-se chamar o homem para vir bater no boi

O homem não quis bater no boi

O boi não quis beber a água

A água não quis apagar o fogo

O fogo não quis queimar o pau

O pau não quis bater no cuco

O cuco não quis comer as couves

Ele ia sempre a dizer: couves não hei-de comer

Ele ia sempre a dizer: couves não hei-de comer

Mandou-se chamar o polícia para vir prender o homem

Mandou-se chamar o polícia para vir prender o homem

O polícia não quis prender o homem

O homem não quis bater no boi

O boi não quis beber a água

A água não quis apagar o fogo

O fogo não quis queimar o pau

O pau não quis bater no cuco

O cuco não quis comer as couves

Ele ia sempre a dizer: couves não hei-de comer

Ele ia sempre a dizer: couves não hei-de comer

Mandou-se chamar a mota para vir atropelar o polícia

Mandou-se chamar a mota para vir atropelar o polícia

A mota já quis atropelar o polícia

O polícia já quis prender o homem

O homem já quis bater no boi

O boi já quis beber a água

A água já quis apagar o fogo

O fogo já quis queimar o pau

O pau já quis bater no cuco

O cuco já quis comer as couves

Ele ia sempre a dizer: couves já hei-de comer

Ele ia sempre a dizer: couves já hei-de comer

 

                        FIM